onkeydown='return validateKey(event)'> onkeydown='return validateKey(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 19 de março de 2010

Estrelas
















nuvens
dissiparam-se
névoas de saudade
então

estrelas
tornaram-se
estrelas
meras aparências
então

é sereno


Juscelino V. Mendes


sexta-feira, 12 de março de 2010

I n s t i n t o

Sou uma mulher do século XIX
disfarçada em século XX

Ana C.



Instinto

Auto-devora-se

Adeus iminente

Paulatino findar-se

Absinto

Inclemente


Juscelino V. Mendes


Homenagem a Ana Cristina Cesar, poeta, uma das pessoas mais belas e doces que conheci na vida. Suicidou-se em 29 de outubro de 1983. Assista ao vídeo "Entelinhas" - parte 1, clicando no título de meu poema. A foto da esquerda pertence ao "Acervo Ana Cristina Cesar / Instituto Moreira Salles": 

sexta-feira, 5 de março de 2010

Mulheres: brisas e quenturas da vida


Operárias russas,
Novaiorquinas,
Africanas,
Baianas,
Brasileiras, 
Amálgama de todas elas.
Sobreviventes de seus próprios rebentos,
Machos creontes,
Sem as quais:

(evas, antígones,
saras, priscilas, 
lídias, anas, 
marias, ivones,

madalenas, joanas,
déboras, carinas, 
rutes,  marinas,
martas, susanas, 

sophias, maristelas,
adenices, danielas, 
isabelas, yaras, 
letícias, florisbelas, 

paulas, amandas,
beatrizes, sílvias,
júlias, daianes,
lúcias, iolandas,

cloés, julianas,
amélias, áureas,
lauras, marisas,
margots, adrianas,

fernandas, diacuís,
joísas, lucianas,
fabianas, sônias
graças, darcis

carmens, carmélias,
elianas, cristinas,
sheilas,  rosalinas,
fridas, jardélias

micheles, reginas,
vanessas, guaranis,
pataxós, enis,
melanis, sabrinas,

vitórias, lorenas,
alines, darlenes,
cíntias, marlenes,
yanomamis, terenas,  

silmaras, vânias
cláudias, emílias,
coralinas, cecílias,
simeias, tânias,

najas, sunamitas,
rosas, elenas,
naras, normas,
dolores, lolitas,
 
mulheres de todos os nomes, 
imaculadas, agares
desconhecidas, sem lares,
samaritanas sem nomes),

Seriam apenas animais,
Sem criação, 
sem educação, 
Sem nomes,
Com fome de todas as fomes;
Sem poesia.

Não só um dia oito, 
mas todos os dias,
oito ou não!

Mulheres: brisas e quenturas da vida.
Sempre!...


Juscelino V. Mendes

Homenageio, neste singelo poema todas as mulheres conhecidas e desconhecidas, a propósito do dia 8, mas apenas como pretexto do dia escolhido, pois todos os dias devem elas receber homenagem. Portanto, sintam-se todas acarinhadas com este poema.
Clique no título do poema e veja outro vídeo -  (http://www.youtube.com/watch?v=YTgLr1qa338).


 

Estar só


A fome é
Estar
A dor
Me
Ci
Do
Na sonoridade de estar só.



Juscelino V. Mendes


Clique no título do poema e veja o vídeo - (Titãs: http://www.youtube.com/watch?v=GYbzYlKDn_k).