onkeydown='return validateKey(event)'> onkeydown='return validateKey(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 29 de abril de 2010

Ócios
























Ócio

de ossos

encarnados

no ócio

do sol de verão


Juscelino V. Mendes


 

7 comentários:

Jairo Cerqueira disse...

E sol de verão queimando no peito, faz nascer um novo desejo no coração.
Um abraço, Juscelino!

Léia Alves disse...

Juscelino, belíssimo meu amigo!!
E o som das ondas, batendo da arrebentação... ai ai

Marisa Queiroz disse...

Lindo poema e ... que corpinho sarado,hem? rsss
Bjs

Greta Marcon disse...

Adorei esse ócio... O mar me fascina,
mas o sol me castiga; só mesmo com muito protetor solar... Legal o teu
jogo de palavras.
Um beijo

Ailuj disse...

Verão lembra férias
e férias lembra,ócio
corpos estendidos nas areias das praias ou nas gramas dos parques em total letargia...época gostosa de cutir o ócio ou a diversão

Beijos poeta

Juscelino Mendes disse...

Jairo,
Léia,
Marisa,
Greta e
Júlia.

Gostei muito de seus comentários repletos de generosidade. Compus esses versos lá mesmo na praia. É quase, se pudesse assim dizer, um haicai. O sol existe sempre no seu ócio maravilhoso, luminoso e quente. Nós também em nossa breve passagem, quando o encontramos, especialmente na praia.

Um grande e afetuoso abraço a todos!

Jardélia Araújo disse...

É tudo muito lindo.
Poeta.