onkeydown='return validateKey(event)'> onkeydown='return validateKey(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quinta-feira, 28 de março de 2013

Jacó e Raquel



















(p/ Marina)



Não vivi no oriente,
não conduzi rebanhos,
não removi pedra.

Não dei de beber
a ovelhas sedentas
à beira da boca do poço.

Não te beijei,
nem mesmo chorei
ao olhar-te primeira vez.

Não trabalhei sete anos,
nem mais sete
de trabalho pastoril.

Não tive de suportar outra
Flor para sentir
o teu cheiro suave e doce
impregnado na alma.

Não fui iludido por ninguém,
nem pela noite,
pensando estar contigo,
em enganoso amplexo.

Mas:

Aproximei-me e olhei
com a mesma ternura;
senti com igual choro;
a mesma fala,
os gestos,
a graça,
o amor.

Embora:

Tu não fosses Raquel.
Eu não tenha tido parentensco com Labão
Tu não fosses a mais jovem.
Eu não tenha conhecido Léia.

E trabalhe até hoje:

Junto a ti.
Por ti.
Por nossos filhos.

Com o mesmo afeto do início de tudo.

Juscelino V. Mendes

Nenhum comentário: