onkeydown='return validateKey(event)'> onkeydown='return validateKey(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sexta-feira, 21 de junho de 2013

Explosões da paciência

Vemos pela história, que país nenhum procedeu às suas mudanças sociais, sem alguma destruição, por parte de gente que se aproveita para destilar o seu ódio e suas loucuras nas manifestações. Estes devem ser identificados e pagar por seu vandalismo. Todavia, a continuar com as mazelas perpetradas por nossas autoridades políticas, a nossa destruição profunda, deletéria, imoral, paulatinamente injetada em nossa sociedade, ainda que invisível, é infinitamente maior! Quando essa destruição imoral se torna visível, como aconteceu com a construção de belos estádios, em contraposição com os nossos hospitais e postos de saúde de quinta categoria, para citar apenas um exemplo, tudo explode, sob o pretexto de parcos centavos nas passagens de ônibus. Que após as explosões da paciência de longos anos, construamos um país, com autoridades civis, que cumpram, pelos menos, o artigo 3º da Constituição Federal/88: 

Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República Federativa do Brasil:

I - construir uma sociedade livre, justa e solidária; 
II - garantir o desenvolvimento nacional;
III - erradicar a pobreza e a marginalização e reduzir as desigualdades sociais e regionais;
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação.

E que meus netos sejam ainda mais orgulhosos de nosso Brasil, do que eu.

Juscelino V. Mendes





Um comentário:

Anônimo disse...

Oposto aos nossos irmãos chineses, o governo brasileiro acreditou que o povo usava a internet de forma tola e infantil.
Entretanto, como uma criança tola e travessa, a internet cresceu e se pareou com a poderosa família Rede Global.
Hoje, o adulto é burro por conta das bobeiras da internet, mas, não alienado as premissas da televisão.
Chegou a ultima gota d´agua, os últimos centavos.
Agora a dança muda, está na hora de trocar o papel de pato.

Tenha uma boa tarde,

Atenciosamente,

Danilo Carvalho Carlin