onkeydown='return validateKey(event)'> onkeydown='return validateKey(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Não escrevo poemas de amor


Não escrevo poemas de amor.
Nem sei se o amor se torna em poesia.
À sua maneira disforme e revelia
Assiste a ardente fenomenologia.

O mundo em sua crueza revela-se na dor.
Sutilmente domina e canta a sua melodia.
Sem máscara, não sorri para a alegria.
Será esta a diferença entre o amor e a filosofia?

É-me tão difícil compor o que é o amor!
Como descrever o sorriso de Ana Laura?
A doçura que o olhar de Daniel instaura?
Ou a alegria contagiante de Sophia Elena. Aura?

Não sei se compus um soneto de amor shakespeariano.
Talvez uma sintética e filosófica alegoria de fim de ano.






Juscelino V. Mendes 

Um comentário:

João Mantovanelli disse...

Amigo Juscelino, amar,se confunde com afeto, amar é interpretado com o ato físico e sentimental entre casais. Mas, encontrar sentido de AMAR a vida,de ser feliz com AMOR na perspectiva de vida explicar com fundamentos philosóphicos se torna árduo, pois, sinônimos e palavras, palavras para explicar signos e significados de AMOR fica difícil diante de cada ação que caiba cada palavra traduzida, interpretada com formas e contextos que envolve sinônimo de AMOR!!!