onkeydown='return validateKey(event)'> onkeydown='return validateKey(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sábado, 21 de abril de 2018

Regime de Homens, ou de Leis?

O que é mais conveniente para a comunidade civil, estar sob um regime de leis ou de homens? 

Essa é uma questão clássica, que pasmou a Antiguidade por séculos. 


Tomás de Aquino, elucidando a questão e repudiando a paixão, opta pela posição de Aristóteles de Πλάτων (Leis, 644-D 645-A; 674 B): o regime das leis.


Eduaro C. B. Bittar / Guilherme Assis de Almeida, Curso de Filosofia do Direito, 2ª edição, São Paulo: Atlas, 2002, p. 209-210.

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Nas prisões mofem sem demora / os conhecidos de outrora

No maravilhoso poema "Divina commedia", o Poeta, Dante Alighieri, reserva para os políticos corruptos a 'quinta bolgia´ (Canto XXII, v. 16-24).

Trata-se de um poço de piche fervente em que os corruptos ficam submersos. Os que não conseguem suportar isto, e aparecem com as suas cabeças acima do piche, são empurrados por demônios que os devolvem para baixo. 

E por que Dante imaginou-os submersos em caldos no inferno?

-Porque na terra traíram o povo, fazendo negociatas às escondidas e enriquecendo-se ilicitamente às duras custas do povo italiano.



"(...)

Eu para o tanque olhava fixamente,
examinando-o fundo, procurando
ver quem gemia sob o pez fervente.

Como ágeis delfins, que o dorso arqueando
previnem os marujos do perigo,
para que tratem de ir a nau salvando,

assim, buscando alívio no castigo,
vinham à superfície os condenados,
mas imergiam como raio, eu digo.

E tais à orla dos poços sossegados
as rãs abicam, pondo a venta fora,
os corpos conservando mergulhados,

ali quedavam réus àquela hora;
mas vendo Barbarícia, que chegava,
ao fundo se sumiam sem demora.

(...)."


(Dante Alighieri "A Divina Comédia", Canto XXII, versos 16-30, tradução de Cristiano Martins, p. 286 - [Barbarícia, chefe dos demônios]. No original: Dante Tutte le opere, Divina Commedia. Grandi Tascabili Economici Newton, Roma, 1993, p. 158).











Há muitos políticos brasileiros, conhecidos

e desconhecidos,
que vão para esse lago terrível
da poesia de Dante.

Contudo, enquanto para lá não vão,
nas prisões mofem sem demora,
os conhecidos de outrora:
- Maluf, Lula, Dirceu, Azeredo,
Aécio, Palocci, Jucá, Serra, Renan, 
Michel - e outros que são mas não estão.


Juscelino V. Mendes


(Vide lista do ministro Edson Fachin, com 108 políticos investigados: https://www.pragmatismopolitico.com.br/2017/04/os-108-nomes-da-lista-de-fachin.html).


terça-feira, 26 de dezembro de 2017

O consolo do amor

Nietzsche diz que "Ora, sentir-se, enquanto humanidade (e não só enquanto indivíduo), tão desperdiçado como nós vemos desperdiçada pela natureza a flor isolada, isso é um sentimento acima de todos os sentimentos. Mas quem é capaz do mesmo. Certamente, só um poeta; e os poetas sabem sempre se consolar." - (Nietzsche, Friedrich Wilhelm, Humano demasiado humano. [Tradução Heloísa da Graça Burati], São Paulo: Rideel, 2005, p. 52).



Consolo-me na aspereza,
incerteza,
de uma era sem eira,
nem beira;
de um ano findo,
de outro que vem vindo,
para quê?
Para o amor,
ou nascimento de uma flor.
É tudo quanto basta!...


Juscelino V. Mendes