onkeydown='return validateKey(event)'> onkeydown='return validateKey(event)'> expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

sábado, 28 de janeiro de 2012

Haicais




Nuvens escuras -
Verão: choro abundante
Em densas trevas

Murky and dark clouds -
Summer: abundant whimpers
In compacted night

Límpido céu
Nuvens de azul intenso
Riachos longínquos

Limpid the heavens
Clouds of intense blue colour
Far away streamlets

Longas estradas
Curvas acentuadas
É quase inverno

Lenghty the highways
Of accentuated curves
It´s almost winter

Juscelino V. Mendes




Um haicai para ser haicai, e preservar as origens nipônicas, há que nascer de algo visto e sentido da natureza pelo poeta. Há muita gente chamando de haicai o que haicai não é. Vemos e sentimos toda a cena, quando lemos o belo poema do mestre do haicai, o poeta japonês Matsuo Basho (1644-1694), quando, ao contemplar uma lagoa tranquila, escreve:

Furu Ike ya  
Kawasu tobikomu
Mizu no oto

velho lago 
mergulha a rã 
fragor d'água

Você não chega a perceber essa rã e o fragor d'água ao ler este haicai?

Nenhum comentário: